https://www.revistas.ucr.ac.cr/index.php/pemPensar en Movimiento: Revista de Ciencias del Ejercicio y la Salud ISSN Impreso: 1409-0724 ISSN electrónico: 1659-4436

A CONFIGURAÇÃO DO TÊNIS DE CAMPO INFANTO JUVENIL BRASILEIRO: PRIMEIRAS DESCRIÇÕES

Camile Luciane da Silva, Isabelle Plociniak Costa, Marcelo Moraes e Silva, Andre Felipe Caregnato, Fernando Renato Cavichiolli



DOI: https://doi.org/10.15517/pensarmov.v15i1.26117

Resumen


O objetivo do presente estudo é de obter informações detalhadas sobre o Tênis de campo brasileiro. A pesquisa se caracterizou como descritiva utilizando os dados do site da Confederação Brasileira de Tênis (CBT), no ano de 2013, nas categorias de 12, 14, 16 e 18 anos de ambos os sexos. Foram selecionados os 200 primeiros colocados da categoria masculina e todas as atletas femininas de cada faixa etária, que variaram entre 111 e 162 atletas, totalizando 1.341 dados catalogados. Verificou-se que o Tênis de Campo se encontra basicamente em ambientes esportivos institucionalizados, principalmente em clubes. A título de conclusão o estudo aponta que o Tênis de Campo no Brasil acaba por reproduzir a lógica do campo esportivo no que se refere à distribuição por sexo. Existe também uma proximidade entre as esferas econômica e esportiva, pois atletas que se concentram nas regiões Sudeste e Sul têm uma maior probabilidade de desenvolvimento na modalidade.

Palabras clave


Tênis de Campo; Clubes; Infanto Juvenil

Referencias


Athayde, P., Mascarenhas, F., Matias, W., Miranda, N.(2013). O agendamento dos Jogos Rio 2016: Temas e termos para debate. Pensar a Prática, 16 (3), 794-816. doi: http://dx.doi.org/10.5216/rpp.v16i3.19270

Bedinelli, T. (6 de agosto de 2016). Teliana Pereira: da pobreza do sertão à elite do tênis. El País. Recuperado de http://brasil.elpais.com/brasil/2016/08/02/deportes/1470167365_071447.html

Böhme, M. T. S. (2007). O tema talento esportivo nas ciências do esporte. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 15 (1), 119-126. Recuperado de https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/viewFile/738/741

Bourdieu, P. (1999). A Economia das Trocas Simbólicas. Recuperado de http://www.livrariacultura.com.br/p/livros/ciencias-sociais/sociologia/a-economia-das-trocas-simbolicas-76109?id_link=13574&gclid=CjwKEAjwvYPKBRCYr5GLgNCJ_jsSJABqwfw70ATnEai8LBUfdtZzOV17RKSVXPAkQ7GEvo-pu4CkVBoC-Bvw_wcB

Confederação Brasileira de Tênis. (2013). Ranking Confederação Brasileira de Tênis. Recuperado de http://cbt-tenis.com.br/juvenil.php?pag=ranking

Corrêa, A., Moraes e Silva., M.; Mezzadri, F., Cavichiolli, F. (2014). Financiamento do esporte olímpico de verão brasileiro: mapeamento inicial do programa Bolsa-Atleta (2005-2011). Pensar a Prática, 17 (4), 1-15. doi: http://dx.doi.org/10.5216/rpp.v17i4.29057

Cortela, C., Fuentes, J., Campos, L., Kist, C., Cortela, D. N. R. (2012). Iniciação esportiva ao tênis de campo: um retrato do programa play and stay à luz da pedagogia do esporte. Conexões Educação Física, Esporte e Saúde, 10 (2), 214-234. Recuperado de http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8637683/5374

Dias, Y., Moraes e Silva, M., Figuerôa, K. M.; Nunes, R. J. S.; Rojo, J. R.; Mezzadri, F. M. (2016) O Judô no programa governamental Bolsa-Atleta: a distribuição espacial dos bolsistas (2011-2013). Pensar a Prática, 19 (1), 118-129. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/fef/article/view/37897

Goellner, S. V. (2006). Mulher e esporte no Brasil: entre incentivos e interdições elas fazem história. Pensar a Prática, 8 (1), 85-100. doi: https://doi.org/10.5216/rpp.v8i1.106

Grix, J. (2009). The impact of UK sport policy on the governance of athletics. International Journal of Sport Policy, Loughborough, 1 (1), 31-49. http://dx.doi.org/10.1080/19406940802681202

Grix, J., Carmichael, F. (2012). Why do governments invest in elite sport? A polemic. International Journal of Sport Policy and Politics, 4(1), p. 73-90. doi: http://dx.doi.org/10.1080/19406940.2011.627358

Havaris, E., Danylchuk, K. (2007). An assessment of sport Canada's sport funding and accountability framework, 1995–2004. European Sport Management Quarterly, 7(1), 31-53. doi: http://dx.doi.org/10.1080/16184740701270329

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Produto Interno Bruto dos Municípios 2010. Recuperado de http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/pibmunicipios/2010/

Massa, M.; Uezu, R.; Böhme, M. T. S. (2010). Judocas olímpicos brasileiros: fatores de apoio psicossocial para o desenvolvimento do talento esportivo. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 24 (4), 471-481. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbefe/v24n4/a05v24n4.pdf

Massa, M.; Uezu, R.; Pacharoni, R.; Böhme, M. T. S. (2014). Iniciação Esportiva, tempo de prática e desenvolvimento de judocas olímpicos brasileiros. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 36 (2), 383-395. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32892014000200008

Matias, W. B.; Athayde, P. F.; Húngaro, E. M.; Mascarenhas, F. (2015). A lei de incentivo fiscal e o (não) direito ao esporte no Brasil. Movimento revista de Educação física da UFRGS, 21(1), 91-104. Recuperado de http://seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/46419/35294

Mazzei, L. C.; Vieira, D. E. B; Silva Neto, A.; Bastos, F. C. (2012a) Gestão da Confederação Brasileira de Judô: Um Estudo de Caso. Revista Intercontinental de Gestão Desportiva-RIGD, 2(1), 30-42. Recuperado de http://www.revista.universo.edu.br/index.php?journal=gestaoesportiva&page=article&op=viewArticle&path%5B%5D=480

Mazzei, L. C; Bastos, F. C.; Ferreira, R. L; Böhme, M. T. S. (2012b). Centros de Treinamento Esportivo para o Esporte de alto rendimento no Brasil: Um estudo preliminar. Revista Mineira Educação Física, 1(7), 1575-1584. Recuperado de http://citrus.uspnet.usp.br/lateca/web/index.php/pt/artigos/137-centros-de-treinamento-esportivo-para-o-esporte-de-alto-rendimento-no-brasil-um-estudo-preliminar

Mendes, A.; Codato, A. (2015). The institutional configuration of sport policy in Brazil: organization, evolution and dilemmas. Revista Administração Pública, 49(3), 563-593. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7612125903

Meira, T. B.; Bastos, F. C.; Böhme, M. T. S. (2012). Análise da estrutura organizacional do esporte de rendimento no Brasil: um estudo preliminar. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 26(2), 251–262. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1807-55092012000200008

Mezzadri, F. M. (2000). A estrutura esportiva no Estado do Paraná: da formação dos clubes as atuais políticas governamentais. (Tese Doutorado em Educação Física). Recuperado de http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000223729

Mezzadri, F. M.; Moraes e Silva, M.; Cavichiolli, F. R. (2016). Brazil. In: Kristiansen, E.; Parent, M. M.; Houlihan, B. (Edit.). Elite Youth Sport Policy: A comparative analysis, 1-15. Recuperado de https://www.amazon.com/Elite-Youth-Sport-Policy-comparative/dp/1138888087

Moraes e Silva, M. (2011). Novos modos de olhar outras maneiras de se comportar: a emergência do dispositivo esportivo da cidade de Curitiba (1899-1918). (Tese Doutorado em Educação). Recuperado de http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000857371

Moraes e Silva, M.; Mezzadri, F. M.; Souza, D. L.; Souza, P. M. (2015b). O financiamento público do rúgbi brasileiro: a relação governo federal e Confederação Brasileira de Rugby. Revista da Educação Física, 26 (2), 245-286. doi: http://dx.doi.org/10.4025/reveducfis.v26i2.24586

Moura, G., Starepravo, F., Rojo, J., Teixeira D.; Moraes e Silva, M. (2017). Mulher e esporte: o preconceito com as atletas de Rugby da cidade de Maringá-PR. Motrivivência Revista de Educação Física, Esporte e Lazer, 29(50), 17-30. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2017v29n50p17

Mueller, J.; Rodrigues, O. (2009). O tênis nas escolas: uma prática apropriada a cultura escolar. En Balbinotti, C (Ed), O ensino do tênis: novas perspectiva de aprendizagem. (pp.61-79). Recuperado de https://books.google.co.cr/books/about/O_Ensino_do_T%C3%AAnis_Novas_Perspectivas_de.html?id=o4npCtRT3FsC&redir_esc=y

Needell, J. D. (1993). Belle Époque tropical: sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. Recuperado de https://books.google.co.cr/books/about/Belle_%C3%89poque_Tropical.html?id=M7Z7HAAACAAJ&redir_esc=y

Peres, L., Lovisolo, H. (2006). Formação Esportiva: teoria e visões do atleta de Elite no Brasil. Revista da Educação Física, 17 (2), 211-218. Recuperado de http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/3343

Pluim, B. M., Staal, J. B., Windler, G. E., Jayanthi, N. (2006). Tennis injuries: occurrence, aetiology, and prevention. British journal of sports medicine, 40(5), 415-423. http://dx.doi.org/10.1136/bjsm.2005.023184

Scott, J. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, 20(2), 71-99. Recuperado de http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721

Starepravo, F. A., Souza, J., Marchi Júnior, W. (2011). Políticas públicas de esporte e lazer no Brasil: uma proposta teórico-metodológica de análise. Movimento Revista de Educacao Física da UFRGS, 17(3), 233-251. Recuperado de http://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/18420

Tribunal de Contas da União. (2011).. Esporte de alto rendimento (Relatório de Auditoria Operacional). Recuperado de http://portal.tcu.gov.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?inline=1&fileId=8A8182A14D92792C014D9284CABD6FA2


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.

Comentarios sobre este artículo

Ver todos los comentarios




Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

© 2017 Universidad de Costa Rica. Para ver más detalles sobre la distribución de los artículos en este sitio visite el aviso legal. Este sitio es desarrollado por UCRIndex y Open Journal Systems.